sábado, outubro 19, 2013

A Comunicação e as Intervenções no Trânsito I

Gosto de tecnologia, gosto dos app´s e outros métodos informativos modernos, mas ainda acredito que informações sobre alterações no trânsito devem ser realizadas in loco e de preferência uma semana antes ou, se possível, uns 15 dias ininterruptos, no local gerador de incômodo.
Ilude-se quem acredita que a grande maioria da população acompanha e lê matéria sobre trânsito nos jornais, revistas ou que domina  essas tecnologias digitais. Fizemos esse trabalho durante muitos anos e me deparei inúmeras vezes com esse tipo de problema e sei que a coisa não funciona assim...Ahhh mas hoje temos a tecnologia!!!..É verdade, mas o ser humano mudou muito pouco em relação ao seu comportamental e mesmo tendo informações in loco vai dizer que não sabia, imagine sendo informado digitalmente?
Acredito que possam ser usados app´s nos GPS com geo referências em itinerários alternativos monitorados durante o período das obras (com suas atualizações), mas quantas pessoas possuem GPS? E os celulares com GPS, será que as pessoas sabem usá-los? E instalar os app´s com os novos caminhos, sabem? E por aí vai!...Ainda acho que o velho mapinha em papel é muito eficiente, que somado ao velho boca a boca, rádio e
Ilude-se quem acredita que a grande maioria da população acompanha e lê matéria sobre trânsito nos jornais, revistas ou que domina  essas tecnologias digitais. Fizemos esse trabalho durante muitos anos e me deparei inúmeras vezes com esse tipo de problema e sei que a coisa não funciona assim...Ahhh mas hoje temos a tecnologia!!!..É verdade, mas o ser humano mudou muito pouco em relação ao seu comportamental e mesmo sendo in loco vai dizer que não sabia, imagine sendo informado digitalmente?Acredito que possam ser usados app´s nos GPS com geo referências em itinerários alternativos monitorados durante o período das obras (com suas atualizações), mas quantas pessoas possuem GPS? E os celulares com GPS, será que as pessoas sabem usá-los? E instalar os app´s com os novos caminhos, sabem? E por aí vai!...Ainda acho que o velho mapinha em papel é muito eficiente, que somado ao velho boca a boca, rádio e informação local (placas e PMV´s*), na base do corpo a corpo, são incontestáveis multiplicadores de informação.
Exercemos essa atividade durante anos no meu antigo emprego e a metodologia que usávamos na ocasião era muito simples: O formato do papel era pequeno ou dobrado de maneira que pudesse ser conduzido no bolso sem causar incômodo e sempre distribuídos por pessoas uniformizadas ou de colete, de maneira que não fossem confundidas com panfleteiros de rua. O modus operandi era próximo ao descrito a seguir:

  1. Distribuição nas travessias de pedestres;
  2. Nos prédios da área onde haverá o impacto viário;
  3. No comércio local;
  4. Nos pontos de desvio;
  5. No escritórios;
  6. Ônibus e pontos de ônibus;
  7. Reuniões com os moradores dos prédios afetados ;
  8. Etc, etc, etc,...

A TI veio para ficar mas o conhecimento dela ainda está muito distante do brasileiro médio, muita gente ainda tem seu guia de ruas em casa e no carro. Informar é preciso!
P.S.: Tenho certeza que alguns amigos contestarão, masss isso faz parte do jogo!
*PMV´s = Painel de Mensagem Variável.

Matéria do jornal falando sobre a falta de informação...
http://oglobo.globo.com/rio/restricao-onibus-no-centro-comeca-com-queixas-10480138
Postar um comentário