domingo, novembro 18, 2012

Ambientação e decoração de PDV´s

Mascote da J&J

Móbiles dos mascotes
Agora que entrei nesse assunto de loja, percebi que fiz uma descrição suscinta do que realmente é um PDV, principalmente ao que tange a ambientação e decoração. Não posso deixar de usar como referência o PDV´s da linha infantil que projetamos eu e Orlando Lomardo para as redes de farmácia naquela período (2001 a 2008). Todo fundamentos básicos de marketing foram utilizadas nesse empreendimento: o visual, auditivo, o tátil e olfativo. Mas como assim? De que maneira? Usando elementos que compunham uma imagem limpa, objetiva, atrativa para o consumidor e facilitando sua percepção dos sentidos nos produtos expostos no mobiliário sem
competição entre os mesmos. É óbvio que na arrumação das mercadorias seriam dispostas de acordo com o grau de interesses dos fabricantes em parceria com o comércio, evidenciar este ou aquele produto era sazonalmente decidido de acordo com as necessidades do mercado. O uso da televisão (hoje tão comum), foi usada como uma ferramenta de entretenimento da criançada, ampliando o tempo de escolha dos produtos
Móbiles
sem se preocupar com a impaciência da criança em permanecer num mesmo local durante um longo período. Para compor a distração infantil, foi acoplado um vídeo cassete(coisa antiga, hoje seria um pendrive!) que fornecia um passatempo para a criançada com desenhos e um pour pouri de filmes infantis que, além de distraí-los, atuava como ponto de venda dos mesmos e sem ônus para o comércio e indústria, formalizando mais uma parceria comercial. Em suma tudo muito bem pensado e problema da concorrência entre produtos. 
O posicionamento das mercadorias no móvel/gôndola foi dimensionado em graus de importância e começando de baixo para cima. Essas faixas começavam pelo uso do gaveteiro como um mini depósito de reposição de mercadorias era o único posicionamento fixo, as demais faixas de mercadorias eram variáveis em função sazonalidade do mercado ou em função dos acordos comerciais entre indústria e comércio, a pessoa do repositor era peça fundamental nessa operação. Um móvel infantil com produtos tão coloridos e de grande valor agregado não pode ser considerada, apenas, a compra por necessidade ou então corremos o risco de só vender fraldas, era tudo muito bem pensado, sinalização diferenciada e com muito suporte de material gráfico. Móbiles no teto, testeiras promocionais coloridas, duratrans com backlight, brindes, sorteios e o Floor graphics no piso compunham a ambientação dos primeiros PDV´s. Após fixação da idéia do PDV, a parafernália foi diminuindo e ficando mais clean como descreveremos adiante. Numa primeira instância era carnavalesco propositalmente, corremos um risco imensurável de tudo dar errado e inveredarmos por um caminho sem volta: o descrédito na praça. O material gráfico, de ambientação, projeto do mobiliário,etc, etc,...ou seja toda parte de design era de minha inteira responsabilidade, mas o conteúdo, o posicionamento, as promoções, as ações de meshandising, etc...eram decididas entre a indústria e os representantes do comércio ou seja, era tudo um grande contrato de risco...
Móbiles
Móbiles
Móbile Balão
Planograma de instalação dos móbiles
Acho engraçado as avaliações que as pessoas dão para material visual gráfico: é bunitim!; bem colorido né?!; bem bolado; tão feio; tá bunitinhú; gostei; não gostei; etc...simples assim! Não fazem a menor idéia do trabalho que dá para produzir um material de qualidade, lamentável!...As crianças e mascotes do "Cantinho Infantil", por exemplo, as imagens não eram fornecidas pela indústria editadas ou produzidas, na maioria das  vezes vinham em baixa resolução ou retiradas de algum material gráfico já impresso ou outro método, tínhamos que editar e compor ou recompor cada uma delas, elaborá-las, enviá-las para aprovação e tudo isso com aqueles prazos exíguos. No caso dos encartes, especificamente, o material era separado pelo Orlando Lomardo da indústria ou diretamente do comércio, então era feito um recibo de retirada sobre nossa responsabilidade, este material era enviado para o fotógrafo Luiz Alberto Medeiros que fotografava com fundo chroma key, em alta resolução e depois eu editava, variando a definição para cada material. Algumas, felizmente, já existiam num catálogo em alta na página da indústria, que facilitava um pouco, mas a maioria das vezes erámos nós que executávamos tudo.
Mas enfim, dava tudo certo! O sucesso foi total e se expandiu, como veremos adiante e hoje virou lugar comum, acho que o mercado está precisando de um novo "UP" diferencial.
Postar um comentário